Aziz Ab`Saber em 1958

Segunda classificação do relevo brasileiro desenvolvida.

a) Quanto ao críterio:

Geomorfoclimático: (que explica a formação do relevo pela ação do clima sobre as rochas = processo de perda ou ganho de sedimentos a partir da ação do clima – temperatura e pluviosidade – sobre as rochas).

Aziz Ab’Sáber em seu trabalho sobre a classificação do relevo brasileiro levou em consideração apenas a atuação conjunta dos agentes internos e externos agindo sobre a gênese do modelado da superfície terrestre, ou seja, dos elementos da natureza como: clima, solo, hidrografia, vegetação etc., principalmente a ação do clima nos diferentes tipos de rochas. Juntamente com a influência interna representada pelo tectonismo. Segundo esse estudo, o relevo brasileiro tem sua formação antiga e resulta principalmente da ação das forças internas da terra e da sucessão de ciclos climáticos. A alternância de climas quentes e umidos com áridos ou semi-áridos favoreceu o processo de erosão e explicam a formação do atual modelado do relevo brasileiro.

Nessa perspectiva, Aziz A’b saber observou a evolução do clima (paleoclimas), para realizar a classificação do relevo brasileiro, isto é, as dramáticas alterações ocorridas ao longo do tempo geológico no território brasileiro. Portanto, a análise do relevo atual envolveu também o estudo dos chamados paleoclimas, ou seja, os fatores climáticos passados, que contribuem para explicar o modelado do presente. Com base no estudo dos processos fisiológicos que envolveram as rochas que compõem as estruturas geológica brasileiras Aziz Ab`Saber classificou o relevo brasileiro em dois tipos de macro unidades geomorfológicas: Planaltos e Planícies. Além de aumentar de 8 para 10 unidades de relevo.

b) Quanto a Classificação:

Planalto: corresponderia a superfície aplainada, onde o processo erosivo estaria predominando sobre o sedimentar.

Planície: (ou terras baixas) se caracterizaria pelo inverso, ou seja, o processo sedimentar estaria se sobrepondo ao processo erosivo independentemente das cotas altimétricas.

c) Quanto as mudanças ocorridas:

Por essa divisão o relevo brasileiro passou a ser dividido em 10 unidades, sendo sete planaltos, que ocupam cerca de 75% do território nacional e três planícies, que ocupam os 25%  do restante do território.

Os planaltos são:
– Planalto das Guianas
– Planalto Brasileiro,
subdividido em:
– Planalto Central
– Planalto Meridional
– Planalto Nordestino
– Planalto do Maranhão-Piauí
– Planalto Uruguaio Sul-Riograndense
– Planalto do Planaltos do Leste e Sudeste
 
As planícies são:
Planície e Terras Baixas Amazônica
Planície e Terras Baixas Costeira
Planície do Pantanal
 
c.1) Quanto as mudanças ocorridas nas macro unidades de planaltos:

Em relação a classificação de Aroldo de Azevedo, passaram-se de quatro unidades de relevo para 7 unidades de relevo.
– Continuaram os territórios dos planaltos das guianas e meridional
– Houve uma redistribuição das áreas territoriais do planalto central, partes dele foram cedidos para compor as áreas territoriais das novas unidades de relevo: Planalto do Maranhão Piauí; Planaltos Leste e Sudeste.
– Houve uma renomenclatura e redistribuição do planalto atlântico que foi dividido em duas novas unidades de relevo:
– Planalto Nordestino
– Planalto Leste e Sudeste
– Planalto Uruguaio-Sul-Rio-Grandense (no Rio Grande do Sul) compreende o território da planície do Pampa, isso é, na classificação de Aroldo essa região está abaixo de 200 m (altimetria), sendo uma planície, já na classificação de Aziz A’b Saber é uma região que perde sedimentos sendo outro critério (fisiológico), por isso é um planalto.

c.1) Quanto as mudanças ocorridas nas macro unidades de planícies:

Em relação a classificação de Aroldo de Azevedo, passaram-se de quatro unidades de planície para 3 unidades de planície.

– a planície do pantanal se mantém nas duas classificações.

– a planície costeira na classificação de Aroldo de Azevedo passa a ser denominada de planícies e terras baixas costeiras na classificação de Aziz Ab`Saber.

– a planície amazônica, na classificação de Aroldo de Azevedo passa a ser denominada de planícies e terras baixas amazônicas na classificação de Aziz Ab`Saber.

OBS: o termo “planícies” se refere às várzeas dos rios, onde a sedimentação é intensa, e a expressão “terras baixas”, aos baixos planaltos ou platôs de estrutura geológica sedimentar.

– a planície do pampa deixa de existir (sua área nessa classificação passa a ser um planalto Uruguaio-Sul-Rio-Grandense).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s