A TV pode ser cidadã?

Por Ricardo Santos

Criada em 1936 e massificada após 1945, a televisão é o maior veículo midiático da atualidade. Em 1950, Assis Chateaubriand trouxe o primeiro canal para o Brasil: a Rede Tupi. Hoje, muita coisa mudou. Nossa TV é, inegavelmente, de primeiro mundo e é uma das melhores do planeta. Ainda assim, tem problemas. Por aqui, as concessões estão nas mãos de uma burguesia sintonizada com o poder. É por isso que não quer mudanças na estrutura de mando, afinal, se alimenta e beneficia dele. Resultado: a mídia nos vê, apenas, como alienados e meros consumidores de seus produtos. Continuar lendo

Mídia, para que te quero!

Raquel Munayer*

Olá leitor! Como foi o seu dia hoje? Acordou e já ligou a TV no telejornal favorito enquanto se arrumava? Folheou o jornal enquanto tomava o café? Ouviu as notícias no rádio a caminho do trabalho? Checou seu e-mail e redes sociais assim que chegou?

Parece exagero, mas milhões de pessoas no mundo todo fazem isso diariamente. Antes das 10hrs da manhã, já foram bombardeados com todos os tipos de crises, maravilhas, acidentes, promoções, desgraças e novidades disponíveis no mercado midiático. Na verdade, vou reformular a minha frase. Não apenas parece, mas É exagero. Já sei o que você está pensando, leitor: “Mas eu só dou uma olhada rápida”, “só checo as notícias principais” ou, a pior de todas, “assisto TV/leio o jornal para relaxar”. O resultado não poderia ser mais óbvio: STRESS. Continuar lendo

Marketing – Imperialismo no Século XXI

Raquel Munayer*

“Mamãe, quando eu crescer, quero ser médico”, diz o garoto. “Hum , que legal, filho”, diz a mãe enquanto pensa quanto anos irão levar até que ele se dê conta de que não terá interesse em salvar o mundo, mas sim, a si mesmo. Crianças são assim, ficam magoadas quando descobrem que existem pessoas doentes e infelizes, principalmente quando são outras crianças, e imediatamente colocam a cabecinha para trabalhar, bolando planos para solucionar os problemas do mundo. “Eu vou ser médico, assim posso curar todas as crianças doentes que existem”, pensou o garoto. Não é à toa que os pequenos costumam escolher profissões nobres. E é exatamente por este motivo que você não irá escutar de uma criança que seu sonho é ser Publicitário. Continuar lendo