Após 65 anos sem diálogo, China e Taiwan realizam encontro histórico

Importantes representantes dos países se reuniram pela primeira vez em Nanquim após a guerra civil de 1949

Após 65 anos sem manter quaisquer laços diplomáticos, China e Taiwan realizaram nesta terça-feira (11/02) uma reunião histórica entre importantes autoridades dos dois países. É a primeira vez que diálogo entre ambas partes acontece desde o fim da guerra civil de 1949. Realizado na cidade chinesa de Nanquim, o encontro teve a presença de Wang Yu-chi, ministro do Conselho de Assuntos da China Continental do governo taiwanês, e Zhang Zhijun, diretor do Escritório para Assuntos de Taiwan do Conselho de Estado chinês.

No encontro, o representante de Taiwan, Wang Yu-chi (à esq.), cumprimenta o chinês Zhang Zhijun (à dir.)

Continuar lendo

Choque entre os gigantes asiáticos por oito ilhas desabitadas

A situação no mar da China Oriental é colocada no vermelho depois da decisão de Pequim de ampliar unilateralmente seu espaço aéreo

A decisão unilateral da China de estabelecer uma zona de controle do trafego aéreo, que inclui as oito ilhas desabitadas em disputa com Tóquio, incertas no acordo de defesa mútua entre Japão e Estados Unidos, colocou no vermelho vivo a situação no mar da China Oriental. Pequim ordenou ontem à noite que seus aviões militares realizassem voos “rotineiros de controle” nesse espaço, depois que aeronaves dos Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul decidiram se fazer de surdas à bravata chinesa e adentraram no que se conhece na gíria aeronáutica internacional como ADIZ (Air Defense Identification Zone). Continuar lendo

A ascensão de um gigante inseguro

A China está longe de ser um membro maduro da comunidade internacional

Quando a economia chinesa superar a dos Estados Unidos e se converter na maior do mundo (em algum momento daqui a alguns poucos anos), o país terá cimentado sua condição de grande potência militar (potência que em seu afã de afirmação estratégica desperta o temor de seus vizinhos). Mas o verdadeiro é que a ascensão da China é a ascensão de uma potência solitária e vulnerável, que enfrenta sérios obstáculos no plano interno.

A China se encontra neste momento rodeada de bases militares e aliados dos Estados Unidos. Embora os países asiáticos em sua maioria estejam interessados em manter e inclusive alargar seus laços econômicos com a China, nenhum (com exceção da Coreia do Norte, que depende da ajuda chinesa) está disposto a aceitar que ela seja a principal potência regional. De fato, a entrada na cena internacional de atores como Indonésia e Índia, aliados dos Estados Unidos, se deve em grande parte à ascensão da China. Continuar lendo

China vai reduzir restrição a filho único, diz mídia estatal

Sistema de ‘reeducação através do trabalho’ também será abolido.
Mudanças foram definidas em importante plenária do Partido Comunista.

O governo da China vai relaxar sua política de filho único, iniciada em 1979, anunciou a mídia estatal nesta sexta-feira (15).

Também foram anunciados a redução da aplicação da pena de morte e o fim do sistema de “reeducação através do trabalho”.

Após uma importante reunião plenária, que terminou na terça-feira, o PCC também anunciou mais facilidades para o investimento privado, em uma tentativa de manter o ritmo de crescimento da economia chinesa.

As novidades foram reveladas pela agência de notícias oficial Xinhua. Continuar lendo

Ambições espaciais e nucleares de Pequim balançam o jogo mundial

Os analistas de defesa norte-americanos se preocupam com os progressos da dissuasão nuclear chinesa e com os avanços na área espacial do país. Jogando com a dualidade dessas áreas conexas, a China melhorou a importância, o alcance e a eficácia de seu arsenal, correndo o risco de fragilizar os equilíbrios nucleares

por Olivier Zajec

Continuar lendo

A China envelhece: asilo em Pequim tem fila de espera de décadas

Mudanças provocadas pela Política do Filho Único e o crescimento econômico desequilibrou relação familiar

A Casa de Bem-Estar Social N.1, a mais famosa instituição para o cuidado de idosos da capital chinesa, está com sua capacidade lotada. Há mais de dez mil pessoas na lista de espera por um dos 1,1 mil leitos disponíveis, o que faz com que a obtenção de uma vaga possa ultrapassar o tempo de vida dos candidatos.

O motivo para a superlotação se concentra na transformação econômica pela qual o país passa desde a época da reforma de 1979. A lei do filho único estabelecida naquele ano diminuiu as famílias; a mobilidade social advinda com o processo de urbanização separou os filhos de seus pais, que foram deixados em seus vilarejos na zona rural e a inserção das mulheres no mercado de trabalho impossibilitou que as noras cuidassem de seus sogros, como manda a cartilha cultural mandarim baseada na filosofia de Confúcio.

Continuar lendo

Equador quer vender parte da Amazônia a petrolíferas chinesas

Grupos indígenas afirmam que não deram consentimento; políticos foram a Pequim divulgar projetos

O Equador planeja leiloar mais de 3 milhões de hectares da Floresta Amazônica para companhias petrolíferas chinesas. Um grupo de políticos equatorianos negociou na segunda-feira contratos com representantes de empresas como a China Petrochemical e a China National Offshore Oil. Antes de Pequim, eles se reuniram em Quito, Houston (EUA) e Paris, sempre encontrando resistência e protestos de indígenas. As informações são do jornal The Guardian.

“O Equador tem vontade de estabelecer uma relação de benefício mútuo”, disse o embaixador do Equador na China em um discurso. De acordo com a ONG Amazon Watch, sete grupos indígenas que habitam o terreno afirmam que não consentiram com a aprovação de projetos envolvendo petróleo – que devastariam o ambiente e ameaçariam seu modo de vida.

Continuar lendo