20 anos do Plano Real

Gustavo Franco

Na próxima sexta feira, dia 28 de fevereiro de 2014, quando começarem os trabalhos de carnaval, vamos festejar também os 20 anos da publicação da Medida Provisória nº 434, que introduziu a URV (Unidade Real de Valor), uma formidável inovação que assumiu a forma de segunda moeda nacional, porém apenas “virtual”, ou “para servir exclusivamente como padrão de valor monetário” (art. 1).

A URV era o real, desde o início. Em seu artigo 2º, a MP 434 já determinava que, quando a URV fosse emitida em forma de cédulas — e assim passasse a servir para pagamentos —, o cruzeiro real seria extinto e a URV teria seu nome mudado para real. Continuar lendo

Bolsa Família: 10 anos de liberdade

O Programa rompe uma história de subordinação, para o desenvolvimento de liberdades individuais, entre elas a liberdade de escolha.

Mayra Taiza Sulzbach

O Programa Bolsa Família (PBF) começa a apresentar seus resultados de longo prazo. Seus benefícios no curto prazo são apenas observados como um mecanismo de inclusão ao consumo de famílias desprovidas de recursos. Os valores recebíveis, em espécie, através do Programa proporciona o bem mais desejado da sociedade capitalista, a moeda, e é com esta que as famílias beneficiárias do Programa têm acesso ao consumo. A moeda neste modelo é utilizada por aqueles que fazem parte da divisão social da produção, permitindo assim o consumo. Os beneficiários do Programa somente estão nesta situação pelo reconhecimento de sua exclusão no processo produtivo.

Contudo, ao mesmo tempo em que o Programa permite o acesso ao consumo e a continuidade do modelo de desenvolvimento capitalista este é capaz, no longo prazo, de promover a inclusão produtiva das crianças e jovens beneficiários, já que a condicionalidade do recebimento financeiro é a capacitação destes para exercício no futuro. Portanto, o Programa através do conhecimento pode promover uma ruptura de sua história de vida. Continuar lendo

Sobre a manipulação da moeda e do crédito

O governo e a moeda

Os meios de troca e a moeda são fenômenos de mercado.  O que faz com que alguma coisa se torne um meio de troca ou moeda é o comportamento das partes nas transações de mercado.  A rigor, as autoridades só deveriam envolver-se com problemas monetários quando fossem chamadas a se manifestar, como em qualquer situação em que tivesse havido uma troca de outros objetos; ou seja, quando fossem chamadas a decidir se o não cumprimento de obrigações contratuais justifica ou não o emprego de compulsão pelo aparato governamental, para fazer com que a parte inadimplente cumpra o que foi pactuado.   Continuar lendo

Quanto custa a moeda

Entenda a variação do câmbio e suas consequências

A Índia é um dos países que utilizam o câmbio fixo, ou seja, a taxa de câmbio é definida pelas autoridades monetárias nacionais

A Índia é um dos países que utilizam o câmbio fixo, ou seja, a taxa de câmbio é definida pelas autoridades monetárias nacionais

O câmbio é a relação do valor da moeda de um país em comparação com o valor da moeda de outro. Sua variação está presente no dia a dia de consumidores de todo o mundo, interferindo no preço de produtos. A moeda é como uma mercadoria qualquer, explica Fabrício Gandra, especialista em mercado de BM&F Bovespa, da MBK Vermont Investimentos. “Sua volatilidade acontece de acordo com a oferta e a demanda, a longo e médio prazos”, diz. Continuar lendo