De Mercator ao Google Maps

Decisões cartográficas podem fazer enorme diferença na forma como percebemos o mundo


Mapa da África por Janszoon Blaeu em 1635: “em vez de cidades, elefantes”

 

Mais ou menos na metade do impressionante e espirituoso poema do irlandês Jonathan Swift, “Sobre a Poesia: Uma Rapsódia”, o escritor satírico do século 18 volta brevemente sua atenção para os mapas da África, escrevendo:

“Assim, os geógrafos, em cartas africanas,
Com cenas selvagens preenchem as lacunas,
E no interior, inóspito e distante,
Em vez de cidades, colocam um elefante.”

Na época de Swift, os exploradores europeus haviam apenas margeado as regiões costeiras da África; seu interior permanecia, para todos os fins, um mistério. Mas, como observa o poeta, em vez de simplesmente deixar o interior do continente vazio, os cartógrafos “preenchem as lacunas” com aquilo que acreditam residir nestas regiões remotas do mundo, como estranhos macacos, leões itinerantes e “em vez de cidades, colocam um elefante”. Continuar lendo

Pesquisadores decifram o mapa mais antigo do mundo

Mapa encontrado pelos arqueólogos

Depois de quinze anos de trabalho, arqueólogos da Universidade de Zaragoza, na Espanha, terminaram de decifrar o mapa mais antigo do mundo. O pequeno pedaço de pedra, de 17 centímetros por 12 centímetros foi encontrado, em 1993, em uma caverna em Abauntz, na região espanhola de Navarra. Acredita–se que essa seja a primeira representação humana de uma paisagem.

O mapa foi feito há de 14.000 anos. Os sinais gravados na pedra indicam montanhas, curvas dos rios e boas áreas para a caça. “A paisagem descrita corresponde exatamente à região geográfica”, disse a pesquisadora Pilar Utrilla. A pesquisa, publicada no Journal of Human Evolution, facilita a compreensão de como era a capacidade de percepção espacial e planejamento e organização da caça dos primeiros humanos modernos. Continuar lendo

O mapa da América Latina sem o Brasil

Se o país fosse eliminado do continente, este se transformaria em uma figura irreconhecível

José Saramago, o falecido Nobel de Literatura português, me fez reparar certo dia que na Espanha, quando mostram a previsão do tempo na televisão, nunca eliminam Portugal. E me comentou: “É que vós, os espanhóis, se arrancais Portugal do mapa, sentis complexo de castração”.

E é verdade: a pele de touro ibérica, sem Portugal, aparece como uma imagem mutilada, esquisita, na acepção negativa do vocábulo português [ao contrário do espanhol “exquisito”, que significa excelente].

Discute-se cada vez mais se o Brasil pertence integralmente à América Latina. Os brasileiros, em geral, não se sentem de todo latino-americanos, e sim simplesmente “brasileiros”, por múltiplas razões históricas, entre as quais a língua que os separa dos outros povos do continente. Continuar lendo