Boko Haram, de seita extremista a grupo armado

Pregando um islã radical e rigoroso, movimento culpa os valores ocidentais, instaurados pelos colonizadores britânicos, por serem a fonte todos os males sofridos pelo país africano

Vídeo divulgado pelo grupo mostra meninas sequestradas

O grupo radical islâmico Boko Haram, autor do sequestro de mais de 200 estudantes na Nigéria, nasceu de uma seita que atraiu a juventude do norte do país com um discurso crítico em relação ao regime nigeriano corrupto. Pregando um islã radical e rigoroso, Mohammed Yusuf, o fundador, acusava os valores ocidentais, instaurados pelos colonizadores britânicos, de serem a fonte todos os males sofridos pelo país. Boko Haram significa “a educação ocidental é pecaminosa” em haussa, a língua mais falada no norte da Nigéria.

O grupo também atraiu a juventude de Maiduguri, capital do estado de Borno, com um discurso agressivo contra o governo. Os novos recrutas estão principalmente entre os “almajirai”, os estudantes corânicos itinerantes, que não tiveram acesso a uma educação de qualidade por serem muito pobres. Também recebe apoio de intelectuais que consideram que a educação ocidental corrompe o islã tradicional. Continuar lendo