A China envelhece: asilo em Pequim tem fila de espera de décadas

Mudanças provocadas pela Política do Filho Único e o crescimento econômico desequilibrou relação familiar

A Casa de Bem-Estar Social N.1, a mais famosa instituição para o cuidado de idosos da capital chinesa, está com sua capacidade lotada. Há mais de dez mil pessoas na lista de espera por um dos 1,1 mil leitos disponíveis, o que faz com que a obtenção de uma vaga possa ultrapassar o tempo de vida dos candidatos.

O motivo para a superlotação se concentra na transformação econômica pela qual o país passa desde a época da reforma de 1979. A lei do filho único estabelecida naquele ano diminuiu as famílias; a mobilidade social advinda com o processo de urbanização separou os filhos de seus pais, que foram deixados em seus vilarejos na zona rural e a inserção das mulheres no mercado de trabalho impossibilitou que as noras cuidassem de seus sogros, como manda a cartilha cultural mandarim baseada na filosofia de Confúcio.

Continuar lendo