Entre o global e o local

Pensar uma geografia histórica para o Brasil requer que nos voltemos para as questões nacionais, de modo a inquiri-las tanto no passado quanto no presente

Diogo da Silva Roiz*

A densidade geográfica de nossa formação e de nossa atualidade impõe um forte conteúdo de particularidades nacionais a serem levantadas e interpretadas pelos geógrafos, cuja explicação adequada aparece como condição para se propor um projeto viável de nação para o Brasil. Explicitar posicionamentos metodológicos, adestrar o instrumental analítico com que se opera, bem como clarificar conceitos e teorias utilizadas são fundamentos prévios ao propósito de gerar uma geografia que oriente a instalação da modernidade que queremos para o País. Para tanto, temos que abandonar o ideal de buscar de imediato uma utopia celeste (o céu na Terra) e superar a desesperança do inferno presente. É o que anima o caminho na trilha do purgatório… (Moraes, 2009, p. 150). Continuar lendo