Primavera não, pleno inverno

Do golpe de Estado que derrubou Morsi brota o inevitável, o contrário da democracia. Por Gianni Carta

638 civis e 49 policiais mortos: são os números da tragédia que ensanguentou as praças do Cairo

Nos sangrentos choques que abalaram o Egito na quarta-feira 14, segundo números oficiais 638 civis e 49 policiais morreram. Somente na mesquita incendiada Rabaa Al-Adawiya jazem 250 corpos à espera do enterro. À beira de uma guerra civil, o Egito tornou-se o primeiro país da chamada Primavera Árabe a produzir o oposto da almejada democracia: uma ditadura militar. Continuar lendo

A grande cilada egípcia

Cada vez fica mais claro: militares, mídia e elite empresarial deram golpe aproveitando-se da ingenuidade de movimentos que julgavam fazer nova revolução

Por Ramzy BaroudAsia Times Online | Tradução Vila Vudu

“A revolução morreu. Longa vida à revolução” – escreveu Eric Walberg, autor e especialista em política do Oriente Médio, logo depois que os militares egípcios derrubaram o presidente democraticamente eleito no Egito, Mohammed Morsi, dia 3 de julho. Mas, com mais precisão, deve-se dizer que a revolução foi assassinada, morte lenta e terrível, por vários, muitos assassinos.

Continuar lendo