A América Latina não podia dar certo

A América Latina não podia dar certo. Foi criada pelos colonizadores para não dar certo, para ser eternamente subalterna ao mundo “civilizado”. Para entregar-lhe suas matérias-primas e sua força de trabalho superexplorada e honrar seus senhores europeus. A América Latina foi colonizada para ser colônia e se sentir colonizada, para se subordinar às metrópoles e ao Império.

Mais ainda quando as alternativas pareciam desaparecer, só restaria à América Latina imitar, de forma mecânica, o modelo único consagrado pelo centro do capitalismo. E assim foi por um tempo. A América Latina foi o continente com mais governos neoliberais e em suas modalidades mais radicais.

Uma devastadora onda, que liquidou, entre outros, o Estado social chileno, a autossuficiência energética da Argentina, além de deixar o continente como uma região intrancendente no plano internacional, de baixo perfil, subordinada às potências do centro do sistema, intensificando ainda mais a desigualdade e a miséria entre nós. Continuar lendo

Obama fala em alternativas à política antidrogas na América Latina, mas rechaça legalização

Presidente disse ainda que as novas políticas sobre o tema devem considerar também a demanda norte-americana por drogas

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou neste sábado (14/04) durante seu discurso na 6ª Cúpula das Américas, em Cartagena, na Colômbia, que é favorável ao debate de novas alternativas para a atual política antidrogas na América Latina. Obama, no entanto, rechaçou a hipótese de legalizar os entorpecentes na região.

Obama participou de uma conversa com Dilma Roussef e Juan Manuel Santos

Obama participou de uma conversa com Dilma Roussef e Juan Manuel Santos

Continuar lendo

Brasil promove modelo de ajuda Sul-Sul de olho em influência internacional

O país incrementou as doações de alimentos a países pobres com modelo de cooperação próprio

O Brasil começa a promover seu modelo de ajuda Sul-Sul em busca de consolidar sua presença como doador e sua influência internacional. Já chega com recursos a 65 países e sua cooperação financeira triplicou nos últimos sete anos. Não foi seu batismo como doador internacional, mas a iniciativa de estender a cinco países da África o financiamento para compra de alimentos permitiu confirmar que o país, tradicional receptor de recursos, passou para o grupo dos emissores de ajuda externa. Continuar lendo

Dilma veta mudança em fuso horário do Acre

FLÁVIA FOREQUE

A presidente Dilma Rousseff vetou integralmente a lei que previa mudança no fuso horário do Acre. O texto determinava o retorno ao fuso horário antigo do estado, de duas horas de diferença em relação ao Distrito Federal –três horas, durante o horário de verão.

A decisão foi publicada nesta quarta-feira (21) no “Diário Oficial” da União. Continuar lendo