O Brasil mantém a aposta na agricultura contra a crise dos emergentes

A valorização do dólar e até uma estiagem, que deve reduzir a oferta de alimentos, deixam o setor do agronegócio otimista com as perspectivas para os preços das commodities

Trabalhador na época da colheita do café.

Enquanto os mercados financeiros globais passam a olhar com desconfiança para os países emergentes, o Brasil mantém a sua aposta nas commodities agrícolas contra a crise que mudou o status do país de bola da vez para patinho feio. Embora tenham caído entre 9% e 25% na Bolsa em relação ao ano passado, os preços das principais matérias-primas agrícolas exportadas pelo país, como soja, milho e açúcar, foram compensados pela alta do dólar. A cadeia do agronegócio corresponde a 25% do PIB brasileiro e em 2013 suas exportações geraram receitas de 82,6 bilhões de dólares, ou 34,5% do total nacional. A expectativa dos exportadores é, ao menos, repetir o número. Em janeiro, o Índice de Commodities agropecuárias do Banco Central (IC-Br) subiu 1,9% e acumula uma alta de 5,9% nos últimos três meses. Continuar lendo

Uma guerra, enfim

Para sociólogo, combate à fome passa pela proibição da especulação em commodities, o perdão das dívidas dos mais pobres e pela agricultura familiar

Hoje existem 62 países com déficit alimentar: 39 na África; 17 na Ásia; 3 nas Américas; e 3 na Oceania

Nascido em 1934, Jean Ziegler foi relator especial da ONU para o direito à alimentação, entre 2000 e 2008. É sua a frase: “Cada criança que morre de fome é uma criança assassinada”. A FAO revela que esse crime ocorre no planeta a cada cinco segundos.

Continuar lendo