O mapeamento dos conflitos ambientais no Brasil

Livro lançado pela Fiocruz faz um inventário de 400 casos de injustiça ambiental no País. Por Joan Martinez-Alier

Chico Mendes, cujo assassinato completa 25 anos em dezembro, foi uma das mais emblemáticas vítimas dos conflitos ambientais. O livro “Injustiça ambiental e saúde no Brasil: O mapa de conflitos”, de pesquisadores da Fiocruz, analisa 400 casos no Brasil, de forma pioneira no mundo, segundo economista ecologico catalão Joan Martinez-Alier

No dia 22 de dezembro de 2013, completam-se 25 anos do assassinato de Chico Mendes (1944-1988), morto em Xapuri, no estado do Acre, por defender a Amazônia contra o desmatamento. Chico Mendes era um seringueiro, e foi um sindicalista que defendia os seringueiros contra os poderosos fazendeiros que queimavam a floresta. Ele havia aprendido a ler, ainda menino, com um velho comunista que vivia escondido nessa fronteira entre o Brasil e a Bolívia, um sobrevivente da Coluna Prestes.

Desde então, longe de diminuir, os conflitos decorrentes do desmatamento e da expansão da fronteira agropecuária continuam crescendo por toda a Amazônia. Repetidas vezes, são produzidas mortes por causa dessa expansão. Mas também há outros conflitos que decorrem de injustiças ambientais, além do desmatamento e da fronteira agropecuária, como pela expansão da mineração, por infraestrutura (estradas, grandes usinas) e por contaminação de agrotóxicos.

Continuar lendo

Geografia: Um século atrás, surgia a hora oficial no Brasil

Até 100 anos atrás, o Brasil não contava com fusos horários. O relógio era ditado segundo conveniências regionais. O país só pôs ordem no tempo em 1913, quando um decreto estabeleceu a Hora Legal Brasileira (HLB), partilhando o território em quatro fusos, do Acre aos arquipélagos de Trindade e Fernando de Noronha.

A história dos fusos começou a ser escrita em 1884, quando os EUA sediaram a Conferência Internacional do Meridiano. O encontro reconheceu uma linha que passaria por Greenwich, na Inglaterra, como a referência das longitudes do planeta. Era exatamente naquele ponto que se dividia os hemisférios ocidental e oriental.

Continuar lendo

Nova imigração: estamos preparados?

Pesquisa recente revela: brasileiros são, no mundo, a população mais receptiva aos imigrantes. Mas até que ponto superamos os preconceitos?

Por Carolina Mazzi

Pesquisa divulgada pela BBC em meados do ano passado mostra que os brasileiros são a população mais receptiva à imigração em todo o mundo. Segundo o instituto de pesquisa Ipsos Mori, que ouviu 17 mil pessoas em 23 países, quase metade dos brasileiros (49%) dizem que os imigrantes tornam o país um lugar mais interessante de se viver, e 47% afirmam que a entrada dos estrangeiros beneficia a economia nacional.

Continuar lendo

Haitianos revivem no Acre a miséria de um país

Cerca de1,3 mil refugiados vivem em situação precária e disputam a escassa comida

A disputa no braço por uma quentinha no começo das tardes de quinta e sexta-feira dentro de um galpão na periferia de Brasileia, no Acre, era o reflexo de uma tragédia humanitária que começou em janeiro de 2010 no Haiti e chegou ao Brasil com força dias atrás pela fronteira com o Peru. Passados três anos do terremoto que devastou o país caribenho, 1,3 mil refugiados haitianos lotam um acampamento, passam horas deitados em colchões, sobre placas de papelão, à espera de uma autorização para ingressar oficialmente no território brasileiro. A esse contingente somaram-se nos últimos dias 69 senegaleses, dois nigerianos e até um indiano.

Continuar lendo

Migração em massa de haitianos deixa Brasiléia, no Acre, em “situação de colapso”

Altino Machado

Governo do Acre diz que esgotou a capacidade para acolher os haitianos

Governo do Acre diz que esgotou a capacidade para acolher os haitianos

O governo do Acre considera que o município de Brasiléia (AC), de 21 mil habitantes, na fronteira com a Bolívia, já enfrenta uma “situação caótica e de colapso” em decorrência da presença de 1,2 mil imigrantes do Haiti na cidade. Continuar lendo

Dilma veta mudança em fuso horário do Acre

FLÁVIA FOREQUE

A presidente Dilma Rousseff vetou integralmente a lei que previa mudança no fuso horário do Acre. O texto determinava o retorno ao fuso horário antigo do estado, de duas horas de diferença em relação ao Distrito Federal –três horas, durante o horário de verão.

A decisão foi publicada nesta quarta-feira (21) no “Diário Oficial” da União. Continuar lendo