Xenofobia em nome do Estado de bem-estar social

Uma vez que as finanças públicas vão mal, é preciso resguardar o sistema de proteção social rastreando os fraudadores, mas também os estrangeiros. Esse raciocínio, martelado por diversos dirigentes políticos europeus, ganha cada vez mais legitimidade

por Alexis Spire

Enquanto as soluções para tirar a União Europeia da crise econômica despertam ásperos debates, há um assunto que é consenso entre os líderes políticos do Velho Continente: a luta contra aqueles que estariam abusando dos sistemas de proteção social. Os imigrantes da África e do Magrebe, e mais recentemente os ciganos, são o foco principal dessa nova cruzada contra os “assistidos”. Em uma carta de 23 de abril de 2013, os ministros do Interior alemão, inglês, austríaco e holandês apresentaram queixa à Presidência da Irlanda denunciando “fraudes e abusos sistemáticos do direito à livre circulação proveniente dos outros países da União Europeia”. Teríamos passado de uma imigração econômica para um turismo de benefícios sociais. Continuar lendo

O jogo de ‘morde e assopra’ da Rússia com a Ucrânia

Dmitri Trenin

Especial para a BBC*

Presidente ucraniano, Viktor Yanukovych, recebeu propostas de incentivos da Rússia

Para o presidente da Rússia, Vladimir Putin, relações internacionais significam competição, que se intensifica a cada dia. A relação com a Ucrânia não deixaria de ser diferente.

Putin reiterou esses principais no discurso do Estado da Nação, na semana passada. Os principais competidores são “grandes unidades geopolíticas”: os Estados Unidos, a China e a Europa, ainda que os europeus não tenham uma estratégica unificada.

Para ganhar competitividade, a Rússia precisa expandir seu poder, criando uma união econômica, política e militar na Eurásia. Continuar lendo

Entenda o que está acontecendo na Ucrânia

Protestos no centro de Kiev já duram semanas. Oposicionistas se rebelam contra a linha pró-Rússia e antieuropeia do governo e se recusam a ceder às intimidações da polícia.

“O tempo de duração dos protestos de rua em Kiev vai depender somente do governo”, profetizou o deputado do partido de oposição Aliança Democrática Ucraniana para a Reforma (Udar), Rostyslav Pavlenko, em entrevista à Deutsche Welle no início de dezembro.

De fato, até agora as forças de segurança ucranianas fracassaram em todas as tentativas de reprimir os protestos. Apesar do frio congelante, os manifestantes permanecem há vários dias na Praça da Independência, no centro da capital. Eles cantam, oram, erguem barricadas de madeira. Nem as investidas noturnas da polícia nem as ameaças desta puderam expulsá-los até agora. Continuar lendo

Chile: a hora de Michelle Bachelet

Presidente pela segunda vez, ela promete agora governo de reformas e desprivatizações. Falou em nova Constituição. Terá ânimo e força para tanto?

Por Mercedes López San Miguel | Tradução Inês Castilho

Os símbolos ensinam sobre o momento que vive o Chile. Michelle Bachelet, filha de um general leal a Allende, ganhou de forma esmagadora, com 62,16% dos votos, de Evelyn Matthei, filha de um general pinochetista, que obteve 37,83% dos sufrágios. Ocorreu a quarenta anos do golpe militar contra o líder socialista. Diante de seus seguidores, reunidos em frente a um hotel no centro de Santiago, Bachelet prometeu realizar as reformas necessárias para fazer do Chile um país mais justo. “Hoje iniciamos uma nova etapa. É um privilégio conduzir a pátria num momento histórico, no qual o país olhou para suas feridas e viu as tarefas pendentes. Graças aos jovens que reclamaram um modelo de educação sem lucro. Porque os sonhos não são um bem de mercado.” Continuar lendo