A devastadora “modernidade” do novo Iphone 5

Suspeita de comprar estanho que é extraído por crianças e arrasa um paraíso ambiental, Apple reage tratando usuários como otários

Por Vinicius Gomes

Toda vez que um novo iPhone está para ser lançado, produz-se um frisson mundial. No caso do novo Iphone 5S, não foi diferente. Pessoas acamparam por semanas em frente à loja da Apple em Nova York, esperando que suas portas se abrissem. Quando isso finalmente ocorreu, foram saudadas pelos funcionários como se tivessem acabado de conquistar uma medalha de ouro nas Olimpíadas. Mas por trás de toda a fanfarra de marketing, existe uma realidade que quase nunca é acompanhada pela mídia com tanta empolgação como as filas em frente das lojas. Continuar lendo

O cidadão Teletubbie

Pensar pra quê? Ouvir o voto pra quê? Em nosso primário exercício de assimilação, tudo “termina em pizza” e ninguém precisa de juiz. Basta votar em enquete

O método Telettubies de assimilação política: basta ver uma imagem e repetir “bo-bo, “ban-di-do”, “sa-fa-dos”, “ca-na-lha”

Há um momento da vida em que o mundo ao redor é um amontoado de signos sem significados. Chama-se infância. Nessa fase, uma pedra não é uma pedra. Não tem sequer nome. É apenas um material disforme que simplesmente existe. À medida que aprendemos que uma pedra é uma pedra e não um ovo, passamos a assimilar a ideia de valor e grandeza. De significado, enfim. Leva tempo.

Mal resumindo, é assim que aprendemos a compreender o mundo, até então uma associação inicial e pouco sofisticada de ideias projetadas em sílabas repetidas vagarosamente. Como numa peça de Lego, encaixamos as sílabas “a” “ma” “re” e “lo” e associamos o borrão apresentado em um cartaz, ou na tevê, ao nome das cores. Vemos o desenho de um arco ascendente e alguém explica ser um “sor-ri-so”. E descobrimos que a bola de fogo a-ma-re-la de-se-nha-da é o “sol”. Daí o sucesso de programas como Teletubbies na formação dos nossos quadrúpedes (porque ainda engatinham) não alfabetizados. Peça por peça, eles aprendem a codificar o mundo. E se tornam adultos. Continuar lendo

Por que o Bolsa Família é importante

O programa social exerceu um papel civilizador, ao permitir às mães planejar, e impedindo as crianças de morrer

Selma Ferreira, primeira beneficiária de programa modelo para Bolsa Família

Já tinha alguns anos de jornalismo, o País começava a lutar pela redemocratização, fui entrevistar Abraham Lowenthal, um dos pensadores do Partido Democrata norte-americano e estudioso da América Latina.

Na época, nós, jornalistas econômicos, estávamos empenhadíssimos em convencer o meio empresarial de que a democracia era um “bom negócio”. Fiz uma série de perguntas sobre a importância da democracia para a economia.

A resposta de Lowenthall me derrubou. “A democracia é importante porque é importante. Não precisa de justificativas econômicas”. Continuar lendo

Qual a diferença entre tornado, tufão e furacão?

Conheça o que diferencia esses fenômenos que prometem se intensificar nos próximos anos

São Paulo – Tornado, tufão e furacão. Talvez a primeira imagem que venha à cabeça a respeito desse trio seja um funil de vento violento fazendo coisas girarem, não? Apesar de guardarem algumas semelhanças, são  fenômenos diferentes. E é bom nos prepararmos, porque eles deverão se tornar piores e mais frequentes, em função das mudanças climáticas, como promete reiterar o quinto relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês). Continuar lendo

Mar Morto: a praia onde nenhum banhista corre risco de afundar

A salinidade é dez vezes superior à dos oceanos. Com 30% de sais minerais em suspensão, a água pesa mais que o corpo humano. Em nenhum lugar do mundo é tão fácil nadar.

Os paredões por onde a equipe do Globo Repórter passou marcam o nível do mar. Daqui pra frente, estamos abaixo dos oceanos.

A equipe entrou na depressão do Mar Morto, a mais profunda do planeta, com 411 metros.

O Mar Morto, que, na verdade, é um lago salgado de 80 quilômetros de extensão, é compartilhado por Israel e Jordânia. Uma linha imaginária, no meio do lago divide os dois países.

Da rodovia israelense, se avistam, do outro lado, as montanhas da Jordânia. É onde, até hoje, os dois países se encaram, frente a frente. E eles estão cada vez mais perto porque o lago é cada vez menor.

Nos últimos 50 anos, o nível baixou 22 metros por causa da retirada excessiva da água do Rio Jordão, principalmente para a irrigação.

Difícil é ficar embaixo da água. A salinidade é dez vezes superior à dos oceanos.

Com 30% de sais minerais em suspensão, a água pesa mais que o corpo humano. Em nenhum lugar do mundo é tão fácil nadar. Ninguém precisa de socorro. Salva-vidas lá, vive desempregado. Continuar lendo