Em nome da queda de todos os muros

Convidado do ciclo Fronteiras do Pensamento, o filósofo franco-búlgaro Tzvetan Todorov diz que a convivência entre culturas não é difícil, porém alerta para o crescimento da xenofobia

A perigosa separação do mundo por muros invisíveis – aqueles erguidos com tijolos religiosos e sociais – é uma das grandes preocupações do filósofo franco-búlgaro Tzvetan Todorov, que virá a São Paulo em setembro para o projeto Fronteiras do Pensamento.

Tzvetan Todorov virá a São Paulo em setembro para o projeto Fronteiras do Pensamento

Tzvetan Todorov virá a São Paulo em setembro para o projeto Fronteiras do Pensamento

Crítico dos totalitarismos, ele vê com apreensão os conflitos nacionais, que ganharam maior importância depois do colapso do império soviético nos anos 1980. “A xenofobia substituiu o anticomunismo (na Europa ocidental) e o anti-imperialismo (na Europa oriental)”, disse ele ao Sabático, em entrevista por e-mail, durante uma brecha das sessões de lançamento de seu livro Os Inimigos Íntimos da Democracia, que chegará ao Brasil em agosto, pela editora Companhia das Letras. Continuar lendo

Rebeldes tuaregues anunciam independência do norte de Mali

Novo Estado, segundo independentistas, se chamaria Azawad

O grupo independentista tuaregue MNLA (Movimento Nacional de Libertação de Azawad) anunciou nesta sexta-feira (06/04) a “independência do estado de Azawad”, região do norte de Mali, e pediu o reconhecimento da comunidade internacional.

Em comunicado assinado pelo secretário-geral do grupo, Bilal Ag al-Sherif, e divulgado hoje em seu site, o MNLA insiste também no reconhecimento e no respeito das fronteiras dos países vizinhos.

Rebeldes touaregues anunciam independêncioa de Azawad e pedem reconhecimento internacional

Rebeldes touaregues anunciam independêncioa de Azawad e pedem reconhecimento internacional

Continuar lendo

Mundo terá 2 bilhoes de idosos em 2050, diz OMS

A Organização Mundial da Saúde chama atenção, por ocasião do Dia Mundial da Saúde, para aumento do número de pessoas com mais de 60 anos. Em quatro décadas, 80% dos idosos viverão em países em desenvolvimento e emergentes.

A população mundial está envelhecendo rapidamente. Em poucos anos, já haverá no mundo mais pessoas acima dos 60 anos do que crianças menores de cinco, informou a OMS. E o problema não se restringe ao países ricos.

“Muitas pessoas ainda acreditam que isso só diga respeito aos países ricos e que seja uma preocupação restrita à Europa e ao Japão. Mas isso não é verdade”, diz John Beard, diretor do Instituto para Envelhecimento e Planejamento de Futuro da OMS em Genebra. “Atualmente, os países com renda baixa e média são os que passam pelos processos de envelhecimento mais rápidos. Em 2050, haverá 2 bilhões de pessoas idosas no mundo, e 80% delas viverão em países que atualmente classificamos como emergentes ou em desenvolvimento”, alerta. Continuar lendo